Poltrona Dacorda capa Veja São Paulo

DE CABEÇA NO FETICHE

O Rapaz da foto, prestes a mergulhar em uma piscina recheada com 14 000 bolinhas de plástico, é o soteropolitano Ricardo Abreu, 38. Ele, que tem escritório próprio na Avenida Paulista, participa de sua segunda CASACOR. No ano passado, destacou-se com um ambiente de míseros 30 metros quadrados inspirado em uma mulher transexual, o que lhe garantiu agora um local quase três vezes maior. Apostou na temática fetichista, com cadeira e quadros influenciados pelo shibari (técnica erótica de amarração), um quadro com tachinhas e um neon que pede silêncio ("sssh…"), luz baixa e a tal piscina de bolinhas que, para ele, sugere desejo. “Tive em mente as antigas garçonières, ponto de encontro de amantes", explica. Ele atende principalmente jovens solteiros, recém-casados ou pessoas em seu primeiro negócio. “O que todos querem é um lugar para impressionar, mostrar que estão bem de vida. Às vezes, o foco aparece mais na estética do que na funcionalidade", diz. "Meus projetos não apresentam muita identidade, mergulho na vida do cliente. É ele quem vai morar, não eu.” Mas não deixa de dar palpites, claro. “Alguns são muito apegados a símbolos de luxo, como mármore, mas não necessariamente aquilo faz parte do estilo da pessoa.”

Matéria: Carolina Giovanelli

20190529 Capa Veja São Paulo.png
20190529-Matéria-Veja-São-Paulo.jpg